Tags

Ex-paciente do HDT retorna como interno da unidade

4 de julho de 2023

Estudante de medicina da UFG surdo faz estágio no hospital

 

Ainda criança, o estudante de medicina da Universidade Federal de Goiás (UFG), Gilson Batista Sousa Júnior, de 26 anos, foi paciente do Hospital Estadual de Doenças Tropicais Dr. Anuar Auad (HDT), unidade do Governo de Goiás, instituição gerida pelo Instituto Sócrates Guanaes (ISG), em Goiânia. Gilson, que ficou surdo aos dois anos após uma meningite, retornou como interno do mesmo hospital em que passou muitos anos de sua vida fazendo tratamento por líquen plano, uma doença dermatológica.

A médica dermatologista, Beatriz Alves Justino, acompanhou o tratamento do estudante de medicina por aproximadamente cinco anos até a cura completa e conta que ficou emocionada ver seu paciente como um colega de trabalho. “Ficamos muito próximos. A família estava muito fragilizada devido aos fatos anteriores, e quando encontra um profissional que orienta e ajuda cria um laço de amizade. Desenvolvemos um carinho mútuo”, revela a médica.

Para ela, a mãe do jovem foi determinante no processo de desenvolvimento dele. “Sempre o estimulava”, recorda a dermatologista. E explicou que o estudante era muito interativo, sempre fazendo a leitura labial. “O acompanhei em parte da infância e adolescência. É muito gratificante o reencontrar já  adulto, de jaleco e quase um médico”, revela.

 

História de superação

Gilson é apenas um dos cerca de 10 milhões de brasileiros surdos, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE). Aproximadamente 5% da população são compostos por quem tem alguma deficiência auditiva. Gilson já quebrou outras barreiras. Foi o primeiro surdo a cursar medicina na UFG.

Até os cinco anos de idade, o hoje o quase médico teve a comunicação dentro de casa realizada apenas por sinais simples e leitura labial. Foi aos cinco anos, quando estudou em uma escola bilíngue em Taguatinga, região administrativa do Distrito Federal, que ele conheceu a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS).

A batalha para estudar deu um passo atrás anos depois quando se mudou para Goiânia. “Foi um momento muito difícil. Fui matriculado em uma escola regular e como eu era o único aluno surdo, tinha de contar com intérprete. Isso só foi possível porque minha família lutou pelo meu direito ao intérprete, junto ao Ministério Público”, conta o jovem.

Para ingressar na Federal de Goiás, em 2019, o futuro médico fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) com o auxílio de um intérprete. Ele já é graduado em Ciência da Computação, que cursou em uma universidade particular.

O retorno

Para Gilson, voltar ao HDT, agora como estudante de medicina, é uma oportunidade única de transformar a experiência pessoal em uma fonte de inspiração para outros e representa uma história de perseverança e superação.

“Esse retorno é um lembrete constante de que é possível transformar adversidades em oportunidades de crescimento e sucesso. Compreendo as lutas e as dificuldades enfrentadas pelos pacientes, isso me impulsiona a oferecer cuidados médicos excepcionais e empáticos”, reflete.

O futuro médico ainda pontua que em cada sala em que entra, olhar de gratidão que encontra reforçam seu compromisso com a medicina. “Percebo que minha surdez não é um obstáculo, mas sim uma força impulsionadora que me capacita a ser um médico mais atencioso”, afirma.

Para ele, a equipe médica e os colegas do HDT têm sido acolhedores e solidários, compartilhando conhecimentos e experiências. “Eles estão auxiliando em meu crescimento profissional e no aprimoramento de minhas habilidades”.

Compartilhar

Assine Nossa Newsletter

Receba as últimas novidades em seu e-mail

Esse site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições da nossa Política de Privacidade.

Aceito