Tags

Azevedo Lima comemora a Semana da Enfermagem 2022

23 de maio de 2022

Os profissionais que atuam na enfermagem do Azevedo Lima representam cerca de 60% da foça de trabalho do hospital. Eles estão presentes, sobretudo, na assistência direta ao paciente, mas não só. Setores como Higienização, Rouparia, Educação Permanente, Vigilância Hospitalar, Controle de Infecções, Central de Esterilização, Doação de Órgãos, Qualidade, Regulação Interna e Medicina do Trabalho também são coordenados pelo pessoal da enfermagem. E sem estes setores, o hospital não funcionaria!

Durante o mês em que se comemoram o Dia do Enfermeiro (12/5) e o Dia do Técnico de Enfermagem (20/5), foram organizadas atividades em homenagem a estes profissionais que incluíram ornamentação do hall de entrada, correio da enfermagem, depoimentos e uma mesa redonda que teve como foco os profissionais de enfermagem que atuam na assistência indireta ao paciente.

Na abertura do evento, o diretor técnico do Azevedo Lima, Dr. Dilson Pereira, afirmou que durante a sua vida profissional tem testemunhado a enfermagem crescer tanto na assistência, quanto na gestão.

No evento da mesa redonda as coordenações responsáveis pelos setores de Central de Materiais e Esterilização (CME), Núcleo de Vigilância Hospitalar (NVH), Higienização, Rouparia e Segurança e Medicina do Trabalho, falaram sobre os desafios de cada setor e sua importância para o funcionamento do hospital. São áreas que interagem constantemente com os setores assistenciais.

A enfermeira Marlize Santos, da CME, ressaltou os inúmeros detalhes que compõem a unidade e a importância do trabalho desenvolvido na CME para que as cirurgias possam ser realizadas no hospital. Gleice Santos, do NVH, destacou as comissões que o setor gerencia, recolhendo dados e averiguando fatos em toda a assistência  que são fundamentais para a geração de estatísticas e desenvolvimento de políticas públicas. Márcia Coutinho, da Rouparia, e Claudia Bastos, da Higienização, detalharam a importância destes setores que aparentemente ficam nos bastidores, mas que sem eles o hospital não funcionaria.

O evento foi desenvolvido pelo Núcleo de Ensino Permanente (NEP), em parceria com a Gerência Operacional. Segundo o moderador, enfermeiro Manassés Moura, e a coordenadora Katia Magalhães, ambos do NEP, o objetivo foi focar nos líderes assistenciais que estão em todos os processos, atuando nos bastidores para que a engrenagem funcione. Ao final da mesa redonda todos os colaboradores da enfermagem que atuam em setores não assistenciais puderam explicar um pouco do processo das suas áreas e da interação com os demais setores do hospital.

No encerramento, a gerente operacional, Angélica Santos, falou do seu trabalho à frente da enfermagem do hospital. Segundo ela, um líder deve estar próximo de todas as pontas. “É por meio do saber de vocês que eu aprendo e que, juntos, nós construímos o caminho.” Dr. Dilson Pereira, que assumiu a diretoria técnica há cerca de um mês, finalizou dizendo: “vocês são muito importantes e buscam fazer o melhor para este lugar. Pretendo estar com vocês por muito tempo”.

A enfermagem tem a força do amor

Para fechar o trabalho com chave de ouro, todos os presentes cantaram a versão “A enfermagem tem a força do amor”, ao som do violão do enfermeiro Carlos Moreno, do NEP. A letra da música foi uma adaptação feita por Carlos Moreno e Katia Magalhães, baseada na da tradicional canção “A força do Amor”, da banda Roupa Nova:

 

Abriu minha visão ao cuidar com amor

Tocou meu coração e alcançou as estrelas

Tem poder, de mover as montanhas

Quando quer acontecer, derruba barreiras

No cuidar, não existem fronteiras

Tem a pressa quando é

Não tem hora de chegar e não vai embora

A Enfermagem tem a força do amor

É linda ao se doar e cuida da gente

Quer voar, navegar outros mares

Dá um tempo sem se ver, mas não se separa

A saudade vem

Quando vê não tem volta

Da família e do seu lar

Quando estou a trabalhar, isso me faz falta

Sei, não é questão de aceitar

Se não sou mais um a negar

A gente não pode impedir

Se a vida cansou de ensinar

Sei que o amor nos dá asa

Mas volta pra casa

A enfermagem tem a força do amor

É linda ao se doar e cuida da gente

Quer voar, navegar outros mares

Dá um tempo sem se ver, mas não se separa

A saudade vem

Quando vê não tem volta

Da família e do seu lar

Quando estou a trabalhar, isso me faz falta

  • Dr. Dilson Pereira, diretor técnico do Azevedo Lima, durante abertura do evento

  • Equipe de enfermeiros coordenadores do Azevedo Lima

  • Pessoal da enfermagem confraterniza após participarem do evento da mesa redonda

Compartilhar

Assine Nossa Newsletter

Receba as últimas novidades em seu e-mail

Esse site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar navegando, você concorda com estas condições da nossa Política de Privacidade.

Aceito
Redimensionar fonte